As características da mulher no novo testamento

Publicado por Jean Santos em

Ao examinar-mos o Novo Testamento, descobrimos a posição das mulheres piedosas, honradas e belas no mais alto grau. Maria – “agraciada” – “bendita entre as mulheres”; sua prima Isabel, mãe de João Batista; Ana, idosa viúva de oitenta e quatro anos, dedicada ao serviço de Deus, são as mais belas personagens diretamente ligadas ao nascimento de Cristo. Maria, irmã de Lázaro, “escolheu a melhor parte”, ao colocar-se aos pés do Senhor para ouvir-lhe os ensinamentos. Foi ela que O ungiu para o Seu sepultamento, uma ação que jamais perderá a sua fragrância “onde quer que este Evangelho for pregado, em todo o mundo, será também contado o que ela fez para memória sua” (Mt 26:13); Febe foi uma servidora da igreja e socorreu a muitos (Rm 16:1); Lídia hospedou o apóstolo Paulo em sua casa (At 16:40); Priscila, ajudou Áquila a expor com mais exatidão o caminho de Deus a Apolo (At 18:26).

A verdadeira beleza da mulher está no seu interior.

Seu fruto é o resultado daquilo que ela é.

Somos lembrados das “mulheres gregas da classe nobre” que creram (At 17:12). Paulo, no final da carta à igreja em Roma, faz uma saudação e um claro elogio a Trifena, Trifosa e Pérside, mulheres que trabalhavam no Senhor (Rm 16:12). À Maria Madalena foi concedida a alta honra de transmitir aos demais discípulos a ressurreição de Cristo (Jo 20:17). E o que dizer de “Joana, mulher de Cuza, procurador de Herodes, Suzana e muitas outras, as quais lhe prestavam assistência com os seus bens” (Lc 8:3). Mulheres que foram alcançadas pelo toque, pela presença poderosa de Jesus. Sara. Apesar de não estar na lista das mulheres do Novo Testamento, é nele citada com destaque e permanece como o exemplo das “santas mulheres que esperavam em Deus, e estavam sujeitas aos seus próprios maridos”, pois lemos que “Sara obedecia a Abraão, chamando-lhe senhor; da qual vós sois filhas, fazendo o bem” 1Pe 3:5,6 Que belo e honrado caminho foi trilhado por essas mulheres! Que possamos encontrar as descendentes dessas piedosas mulheres entre nós!

Os apóstolos Paulo e Pedro estabeleceram algumas qualidades destinadas especificamente às mulheres. Estas características servem como critérios para avaliar o perfil da mulher no novo testamento:

“Da mesma sorte, quanto a mulheres, é necessário que sejam elas respeitáveis, não maldizentes, temperantes e fiéis em tudo.” 1 Timóteo 3:11

1) Sejam respeitáveis – A palavra grega é semnas, que quer dizer venerável, honrado. A mulher que vive de tal maneira que pode ser reverenciada por seu caráter. Um estilo de vida respeitável, reverente e digno, que faz com que o “adversário seja envergonhado não tendo indignidade nenhuma que dizer a nosso respeito”. Seu caráter é expresso através de seu falar, olhar, ouvir, etc. Ela vive o que ela prega, e por isso, esta apta a ensinar as mais jovens. É respeitável e sensata e não impede o ministério dos maridos. São ajudadoras orando, ouvindo, sendo transparentes, amiga, se submetem, procuram ajudar os maridos. “Finalmente, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso o que ocupe o vosso pensamento.” (Filipenses 4:8 )

Nesse texto Paulo dá uma lista daquilo que deve ocupar nosso pensamento.Tudo o que alimenta a carne nos faz perder o respeito por nós e pelos outros. São fontes de impureza: leitura de romances, pois alimentam a fantasia da carne e gera insatisfação com a nossa vida; leitura de revistas que incentivam o modismo, o sexo, etc…; olhar a tv que incentiva a violência, o adultério, a agressividade, etc… São fontes de impureza diante de nossos olhos e o nosso pensamento pode ser ocupado por tudo isto. Como desenvolver nossa capacidade de ser respeitável? Renovando a nossa mente com a palavra.

2) Não maldizentes – Nossa característica como mulheres é falar muito. Nós somos precipitadas, por isso temos que controlar a língua. O que é maledicência? É falar de alguém, mesmo que seja verdade, para outra pessoa sem que a pessoa a quem se esta referindo esteja presente. Falar com motivação de diminuí-la, com o objetivo de exaltar seus defeitos, de esclarecer e trazer a luz seus problemas afim de denegrir sua imagem, afim de que aquele a quem eu estou falando, fique preconceituoso quanto à pessoa de quem eu estou falando. Isto é um mandamento: “Irmãos, não faleis mal uns dos outros” Tg 4:11 Ao invés de comentar a respeito da vida de terceiros devemos orar.

3) Temperantes – Ser temperante é, em suma, ser bastante sábio para reconhecer quando seus apetites oferecem o perigo de subverter sua própria razão e vontade, escravizando-o e sentenciando-o a constantes e sucessivos excessos. Quando se perde-se o senso daquilo que é conveniente, entregando-se à própria vontade. A mulher temperante, portanto, reconhece essa “zona de perigo da vontade” e decide deliberadamente manter dela uma distância segura e bem demarcada. A mulher temperante é uma mulher controlada. Sabe controlar seu jeito de ser, busca com perseverança o domínio próprio, fruto do Espírito Santo em nós. Ter um coração igual ao de Jesus.

4) Fiéis em tudo – Devemos ser fiéis em tudo e não apenas em algumas coisas. É a fidelidade e não a habilidade no serviço do Senhor que agrada o nosso pai. O que Deus quer é que sejamos fiéis igualmente na mesma intensidade e constância no ler, no orar, no louvor, no zelo com as coisas dos irmãos, etc. Se não és fiel no que é meu, como lhe confiarei o que é teu? Uma pessoa em quem se pode confiar que efetuará negócios, executará instruções e se desincumbirá de deveres de maneira fiel. Ser fiel é uma qualidade que denota maturidade cristã que em particular capacita a pessoa passar adiante informações sem deixar de mencionar detalhes importantes e sem criar confusão.

Para pensar:

ü Sou fiel em preparar refeições adequadas e na hora certa;

ü Sou fiel em manter a casa arrumada e limpa;

ü Sou fiel em manter as informações confidenciais realmente confidenciais;

ü Sou fiel em me manter sempre leal ao meu marido, espiritualmente, moralmente e em qualquer outra área;

ü Sou fiel em gastar o dinheiro com cuidado comprando com moderação.

“Quanto às mulheres idosas, semelhantemente, que sejam sérias em seu proceder, não caluniadoras, não escravizadas a muito vinho; sejam mestras do bem, 4 a fim de instruírem as jovens recém-casadas a amarem ao marido e a seus filhos, 5 a serem sensatas, honestas, boas donas de casa, bondosas, sujeitas ao marido, para que a palavra de Deus não seja difamada.” Tito 2:3-5

1) Mestras do bem – Embora variem os limites de idade específicos, as mulheres mais velhas tem a responsabilidade de prover um exemplo positivo para as mais jovens. Ser mestra do bem, significa demonstrar o que é bom com um estilo de vida cristão . O sinal de maturidade para uma mulher, é conhecer a palavra de Deus, e ela só poderá ser mestra do bem se conhecer a palavra de Deus, porque todo o bem vem de Deus. Termos atitudes que demonstrem sensibilidade. Muitas mulheres, por viverem o que ensinam, por praticarem o bem, que não almejam para si a missão de pregadoras ou pastoras, são mestras do bem. Temos que ser sensíveis a Deus pois só ele é a fonte do bem. No dia em que procuravam a Jesus para o prender, Maria lhe derrama o que tinha de melhor. Ela era desprendida dos conceitos da época, desapegada, uma mulher que amou e seguiu Jesus até com o ridículo de sua própria imagem. Ela é um exemplo a seguirmos.

2) Amarem a seus maridos – Instruírem indica um processo de instrução até o ponto em que as esposas se sentissem amigas de seus marido, em que se sentissem seguras e aconchegantes na presença deles; que tivessem um sentimento profundo de confiança e entrega emocional com eles. É necessário a comunicação com amor.

3) Amarem a seus filhos – Lembrar que os sentimentos negativos são normais em certas circunstâncias, mesmo para uma cristã madura. As pressões da vida familiar são bastante reais, especialmente na fase em que as crianças são pequenas; daí sentir certo ressentimento em ralação as crianças não é falta de amor. As mulheres mais velhas devem aliviar o fardo de ansiedade e sentimento de culpa da moça, mostrando a ela que passou pelas mesmas emoções. Os filhos são herança do Senhor (Sl 127:3).

4) Sensatas – Sensato, sóbrio, criterioso, moderado, descrevem uma pessoa que tem pleno controle de suas faculdades físicas, psicológicas e espirituais. Uma pessoa que não está escravizada a seus desejos, impulsos e paixões. A mulher sensata é ponderada, prudente tem senso. Ter bom senso é ter capacidade para pensar. É o oposto da precipitada (Pv 19:2). Temos que encontrar o equilíbrio entre emoção e coração (Pv 31:30). O temor ao Senhor é a base para a sensatez. Não vou ser sensata em cima do que penso, mas em cima do que o Senhor me orientar, do que ele me tem ensinado. A mulher sensata tem como características: buscar conhecer o Senhor, buscar conhecer o ensino e praticá-lo. Ela despreza sua própria vontade e seus desejos: Gl 5:24 ; Cl 3:5. O Senhor nos quer mulheres sensatas, não como as virgens néscias (Mt 25:1-13). Ele nos quer cheias do Espírito Santo, vigilantes, prontas sempre para o que ele requer de nós. Se formos mulheres imprudentes, o Senhor quer que mudemos de atitude. A mulher sensata é organizada, zelosa, sabe administrar o seu tempo (Pv 31:13-27). O Senhor não se agrada da mulher insensata (Pv 11:22 ; Is 32:9-11). Em que devo ser sensata? Devemos ser sensatas na prática de tudo que temos recebido, levando o testemunho do que Jesus nos tem revelado.

5) Honestas – Paulo afirma que a honestidade tem valor inestimável, indiscutível nunca passa. Ser honesta é ter a mente pura como vimos anteriormente no texto de Fl 4:8 A palavra grega hagnos significa alguém que não é contaminado pela carnalidade, que é casto, modesto.

Paulo importava-se que todas as cristãs tanto jovens como idosas, se compenetrassem de sua responsabilidade em manter ralações puras com os homens.

6) Boas donas de casa – Alguns acham as afirmações de Paulo muito influenciadas por seu próprio ambiente judaico e pela cultura da época, o que as torna quase inaplicáveis no século vinte. Uma mulher de Deus madura , e neste caso casada, deve ser uma boa dona de casa. Pode ter atividades fora do lar, ter empregados se puder. Deus estabeleceu certos papeis temporais e funcionais para mulher, mas isso não torna pessoa de segunda classe.. Desde o inicio da criação, e especialmente após a queda, o plano de Deus é que a prioridade da mulher casada seja o seu lar.

7) Bondosas – Ser bondosa é ter boa índole, ser generosa. Ser notável por alguma coisa, ser uma pessoa distinguida, gentil, generosa, boa Ex: Dorcas At 9:36. Jesus diz que só há um bom, que é Deus, para essa mulher o bem estar dos outros é sempre o mais importante. Alguém disse: “Aquilo que você faz fala tão alto que não permiti que eu ouça o que você diz”. A bondade é fruto do Espírito Santo e ser bondosa é viver no Espírito Gl 5:22. A mulher bondosa cuida daqueles com quem vive 1Cor 13:4-7- Deus é amor e em Corintios vemos como viver esses amor em nós. O amor bondoso vem de Deus. A mulher bondosa está disposta a quebrar regras para agradar a Deus. Ela não faz acepção de pessoas, é equilibrada emocionalmente, não é melindrosa. Agrada a Deus com o seu tempo. O Senhor quer que desenvolvamos nossas virtudes.

8) Sujeita a seus próprios maridos – Não adianta a mulher estar fazendo a obra de Deus, evangelizando, salvando almas, curando enfermos, libertando os cativos, edificando outras mulheres, se em sua casa ela entristece o Espírito Santo não se submetendo ao seu marido. A mulher que ainda não compreendeu a seriedade da submissão, ainda não entendeu o que o Senhor Jesus quer dela. Ainda não entendeu como agradar ao Senhor, ainda não conseguiu negar-se a si mesmo e não tem sido discípula do Senhor.

Pedro 3:1-4 diz: Mulheres, sede vós, igualmente, submissas a vosso próprio marido, para que, se ele ainda não obedece à palavra, seja ganho, sem palavra alguma, por meio do procedimento de sua esposa, ao vosso honesto comportamento cheio de temor. Não seja o adorno da esposa o que é exterior, como frisado de cabelos, adereços de ouro, aparato de vestuário; seja, porém, o homem interior do coração, unido ao incorruptível trajo de um espírito manso e tranqüilo, que é de grande valor diante de Deus.

O que Nosso marido pode afirmar a nosso respeito? Uma esposa bem vestida, com cabelos bem arrumados, com uma bela maquilagem, com um comportamento aparente na frente de outras pessoas? ou ele pode destacar, apesar disso, uma mulher mansa, que teme a Deus? Pense mulheres! Podemos observar que uma mulher temente a Deus, calada, com seu procedimento, pode ganhar seu marido incrédulo, quanto mais se seu esposo já for obediente à Palavra. Com certeza vocês podem melhorá-los com seus procedimentos de submissão e temor diante de Deus; sem falar nada. Não é gritando, brigando, se vingando ou expondo seus maridos para outras pessoas, mas, sim em obediência a Deus; tendo um espírito manso e tranqüilo, que é de grande valor diante de Deus.

Pv 9.1-6 “A casa da mulher sábia é um santuário, um refúgio, um lugar de refrigério. Ainda que não sejamos assim, mesmo que haja em nós áreas a serem corrigidas, temos que perseverar para sermos sábias como a mulher descrita”.

Não há no Novo Testamento, tanto nos ensinos de Cristo como dos apóstolos uma única citação que garanta que no relacionamento entre os irmãos não surgiriam conflitos. O que vemos, no ensino de Jesus e dos apóstolos, é uma preocupação em deixar claro como resolver esses conflitos. A prova disso, é o número de textos que há nos evangelhos e nas cartas apostólicas sobre o perdão, o amor, a humildade, como manter a paz e o bom relacionamento entre os irmãos e as advertências sobre os perigos e conseqüências de não se tratar a fundo os conflitos, quando esses surgissem.

1- SE EU PECO CONTRA MEU IRMÃO. O QUE DEVO FAZER?

a) Buscar reconciliação. “Se, pois, ao trazeres ao altar a tua oferta, ali te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa perante o altar a tua oferta, vai primeiro reconciliar-te com teu irmão; e, então, voltando, faze a tua oferta.” Mateus 5:23-24 Este texto nos mostra que a melhor oferta que temos para dar a Deus é uma relação de harmonia com nossos irmãos.

b) Reconhecer nosso erro com mansidão e confessar com humildade “ Confessai, pois, os vossos pecados uns aos outros e orai uns pelos outros, para serdes curados. Muito pode, por sua eficácia, a súplica do justo.” Tiago 5:16 “com toda a humildade e mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos outros em amor,” Efésios 4:2

c) Não ser sábio aos próprios olhos. “ Tende o mesmo sentimento uns para com os outros; em lugar de serdes orgulhosos, condescendei com o que é humilde; não sejais sábios aos vossos próprios olhos.” Romanos 12:16

d) Restituir.Devemos devolver o que foi roubado, pagar o que retivemos, reparar o dano causado, devolver a honra que foi tirada de alguém por meio de calúnia, aclarar a mentira, etc…“ Entrementes, Zaqueu se levantou e disse ao Senhor: Senhor, resolvo dar aos pobres a metade dos meus bens; e, se nalguma coisa tenho defraudado alguém, restituo quatro vezes mais.” Lucas 19:8

“ Quando alguma pessoa pecar, e cometer ofensa contra o SENHOR, e negar ao seu próximo o que este lhe deu em depósito, ou penhor, ou roubar, ou tiver usado de extorsão para com o seu próximo; ou que, tendo achado o perdido, o negar com falso juramento, ou fizer alguma outra coisa de todas em que o homem costuma pecar, será, pois, que, tendo pecado e ficado culpada, restituirá aquilo que roubou, ou que extorquiu, ou o depósito que lhe foi dado, ou o perdido que achou, ou tudo aquilo sobre que jurou falsamente; e o restituirá por inteiro e ainda a isso acrescentará a quinta parte; àquele a quem pertence, lho dará no dia da sua oferta pela culpa.” Levítico 6:2-5

2- SE MEU IRMÃO PECA CONTRA MIM. O QUE DEVO FAZER?

a) Buscar salvá-lo.“ Meus irmãos, se algum entre vós se desviar da verdade, e alguém o converter, sabei que aquele que converte o pecador do seu caminho errado salvará da morte a alma dele e cobrirá multidão de pecados.” Tiago 5:19-20

b) Primeiramente devemos nos isentar de toda atitude de juízo ou de rigor carnal“Por que vês tu o argueiro no olho de teu irmão, porém não reparas na trave que está no teu próprio? Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro do teu olho, quando tens a trave no teu? Hipócrita! Tira primeiro a trave do teu olho e, então, verás claramente para tirar o argueiro do olho de teu irmão.” Mateus 7:3-5 Uma atitude presunçosa e de superioridade, seria como uma trave no nosso olho. Devemos alcançar que o nosso coração esteja limpo, e que não queremos exigir que se faça justiça conosco, mas que a nossa intenção é o benefício do irmão. Evitar qualquer coisa que tenha aparência de orgulho: Gestos, olhar, palavra, o tom de voz demonstrando que estou por cima dele, que me sinto superior por estar corrigindo-o. Devo ter postura de humilhação, pois nós também fomos perdoados, e nós também caímos em pecado, e queremos que sejam misericordiosos conosco;“ Aquele, pois, que pensa estar em pé veja que não caia.” 1 Coríntios 10:12 “ Tudo quanto, pois, quereis que os homens vos façam, assim fazei-o vós também a eles; porque esta é a Lei e os Profetas.” Mateus 7:12

c) A seguir devemos falar diretamente com ele e repreendê-lo com espírito de mansidão e brandura “Irmãos, se alguém for surpreendido nalguma falta, vós, que sois espirituais, corrigi-o com espírito de brandura; e guarda-te para que não sejas também tentado.” Gálatas 6:1

“ Ora, é necessário que o servo do Senhor não viva a contender, e sim deve ser brando para com todos, apto para instruir, paciente, disciplinando com mansidão os que se opõem, na expectativa de que Deus lhes conceda não só o arrependimento para conhecerem plenamente a verdade,” 2 Timóteo 2:24-25

d) Se o irmão se arrepender, devemos perdoá-lo imediatamente

“ Acautelai-vos. Se teu irmão pecar contra ti, repreende-o; se ele se arrepender, perdoa-lhe. Se, por sete vezes no dia, pecar contra ti e, sete vezes, vier ter contigo, dizendo: Estou arrependido, perdoa-lhe.” Lucas 17:3-4

“ E, quando estiverdes orando, se tendes alguma coisa contra alguém, perdoai, para que vosso Pai celestial vos perdoe as vossas ofensas. Mas, se não perdoardes, também vosso Pai celestial não vos perdoará as vossas ofensas.” Marcos 11:25-26

“ Antes, sede uns para com os outros benignos, compassivos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus, em Cristo, vos perdoou.” Efésios 4:32

“Suportai-vos uns aos outros, perdoai-vos mutuamente, caso alguém tenha motivo de queixa contra outrem. Assim como o Senhor vos perdoou, assim também perdoai vós;” Colossenses 3:13

e) A parábola do credor incompassivo nos fala muito forte ao coração. Devemos examiná-la com muita atenção. Ela expõe como é ridículo e maldoso não perdoar. Nos mostra que aquele que não perdoa, certamente não conhece a imensidão de seus próprios pecados, nem a grandeza do perdão de Deus. Devemos ter esta parábola profundamente gravada em nossos corações. “ Por isso, o reino dos céus é semelhante a um rei que resolveu ajustar contas com os seus servos. E, passando a fazê-lo, trouxeram-lhe um que lhe devia dez mil talentos. Não tendo ele, porém, com que pagar, ordenou o senhor que fosse vendido ele, a mulher, os filhos e tudo quanto possuía e que a dívida fosse paga. Então, o servo, prostrando-se reverente, rogou: Sê paciente comigo, e tudo te pagarei. E o senhor daquele servo, compadecendo-se, mandou-o embora e perdoou-lhe a dívida. Saindo, porém, aquele servo, encontrou um dos seus conservos que lhe devia cem denários; e, agarrando-o, o sufocava, dizendo: Paga-me o que me deves. Então, o seu conservo, caindo-lhe aos pés, lhe implorava: Sê paciente comigo, e te pagarei. Ele, entretanto, não quis; antes, indo-se, o lançou na prisão, até que saldasse a dívida. Vendo os seus companheiros o que se havia passado, entristeceram-se muito e foram relatar ao seu senhor tudo que acontecera. Então, o seu senhor, chamando-o, lhe disse: Servo malvado, perdoei-te aquela dívida toda porque me suplicaste; não devias tu, igualmente, compadecer-te do teu conservo, como também eu me compadeci de ti? E, indignando-se, o seu senhor o entregou aos verdugos, até que lhe pagasse toda a dívida. Assim também meu Pai celeste vos fará, se do íntimo não perdoardes cada um a seu irmão.” Mateus 18:23-35

f) Se o irmão não se arrepender, devemos seguir os passos que Jesus ensinou “Se teu irmão pecar contra ti, vai argüi-lo entre ti e ele só. Se ele te ouvir, ganhaste a teu irmão. Se, porém, não te ouvir, toma ainda contigo uma ou duas pessoas, para que, pelo depoimento de duas ou três testemunhas, toda palavra se estabeleça. E, se ele não os atender, dize-o à igreja; e, se recusar ouvir também a igreja, considera-o como gentio e publicano.” Mateus 18:15-17

1) Primeiramente tentamos resolver a situação em particular, somente com ele;

2) Depois, tomamos uma ou duas testemunhas e vamos falar novamente. Estas testemunhas devem ser pessoas maduras e das relações de ambos, para que possam julgar toda a situação;

3) E finalmente, se ele recusar-se a ouvir essas testemunhas, levamos o caso aos pastores da igreja para que eles decidam o que fazer.

3- SE MEU IRMÃO PECA CONTRA MIM. O QUE NÃO DEVO FAZER?

a) Calar e ignorar o assunto “ Também quando o justo se desviar da sua justiça e fizer maldade, e eu puser diante dele um tropeço, ele morrerá; visto que não o avisaste, no seu pecado morrerá, e suas justiças que praticara não serão lembradas, mas o seu sangue da tua mão o requererei. No entanto, se tu avisares o justo, para que não peque, e ele não pecar, certamente, viverá, porque foi avisado; e tu salvaste a tua alma.” Ezequiel 3:20-21

b) Guardar rancor“ atentando, diligentemente, por que ninguém seja faltoso, separando-se da graça de Deus; nem haja alguma raiz de amargura que, brotando, vos perturbe, e, por meio dela, muitos sejam contaminados;” Hebreus 12:15

“ Longe de vós, toda amargura, e cólera, e ira, e gritaria, e blasfêmias, e bem assim toda malícia.” Efésios 4:31

c) Falar mal, usar de maledicência. O que é maledicência? É falar de alguém, mesmo que seja verdade, para outra pessoa sem que a pessoa de quem estamos falando esteja presente. Falar com motivação de diminuí-la, com o objetivo de exaltar seus defeitos, de esclarecer e trazer a luz seus problemas a fim de denegrir sua imagem, para que aquele a quem eu estou falando, fique preconceituoso quanto à pessoa de quem eu estou falando. Porque falamos mal uns dos outros? Por que a maledicência gratifica e acaricia o nosso orgulho. Quando falamos dos problemas de nossos irmãos com a intenção de diminuí-los, nos sobrepomos a eles e nos consideramos melhores. Nossos piores sentimentos são acariciados. “Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros.” Romanos 12:10 “Nada façais por partidarismo ou vanglória, mas por humildade, considerando cada um os outros superiores a si mesmo. Não tenha cada um em vista o que é propriamente seu, senão também cada qual o que é dos outros.” Filipenses 2:3,4 A maledicência sempre vem com o disfarce de estarmos falando com uma nobre indignação contra aqueles que pecaram, pelo ódio ao pecado.

“ Irmãos, não faleis mal uns dos outros. Aquele que fala mal do irmão ou julga a seu irmão fala mal da lei e julga a lei; ora, se julgas a lei, não és observador da lei, mas juiz.” Tiago 4:11

“Aquele que diz estar na luz e odeia a seu irmão, até agora, está nas trevas. Aquele que ama a seu irmão permanece na luz, e nele não há nenhum tropeço. Aquele, porém, que odeia a seu irmão está nas trevas, e anda nas trevas, e não sabe para onde vai, porque as trevas lhe cegaram os olhos.” 1 João 2:9-11

“Nisto são manifestos os filhos de Deus e os filhos do diabo: todo aquele que não pratica justiça não procede de Deus, nem aquele que não ama a seu irmão. Porque a mensagem que ouvistes desde o princípio é esta: que nos amemos uns aos outros; Nós sabemos que já passamos da morte para a vida, porque amamos os irmãos; aquele que não ama permanece na morte. Todo aquele que odeia a seu irmão é assassino; ora, vós sabeis que todo assassino não tem a vida eterna permanente em si.” 1 João 3:10,11,14,15

“Amados, amemo-nos uns aos outros, porque o amor procede de Deus; e todo aquele que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. Aquele que não ama não conhece a Deus, pois Deus é amor. Ninguém jamais viu a Deus; se amarmos uns aos outros, Deus permanece em nós, e o seu amor é, em nós, aperfeiçoado. Se alguém disser: Amo a Deus, e odiar a seu irmão, é mentiroso; pois aquele que não ama a seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê. Ora, temos, da parte dele, este mandamento: que aquele que ama a Deus ame também a seu irmão.” 1 João 4:7,8,12,20,21

d) Abrir juízo condenatório.Fazemos isto quando antecipamos a nossa opinião antes de ouvir nosso irmão. “ Não julgueis, para que não sejais julgados. Pois, com o critério com que julgardes, sereis julgados; e, com a medida com que tiverdes medido, vos medirão também.” Mateus 7:1-2

“ Não julgueis e não sereis julgados; não condeneis e não sereis condenados; perdoai e sereis perdoados;” Lucas 6:37

Categorias: Família

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *